domingo, 24 de abril de 2016

Bela, recatada e "do lar"

Segunda-dama do Brasil Marcela Temer em entrevista para revista Veja
No dia 18 de abril a revista Veja publicou um artigo falando sobre Marcela Temer, esposa do Vice Presidente do Brasil Michel temer.
O artigo descrevia Marcela como uma moça bela, recatada e "do lar" além de ser uma atitude machista e de uma índole suspeita por ser publicada um dia após a votação da continuação do processo de Impeachment.

Publicações de usuários de redes sociais
O título da capa da revista teve grande repercussão, no Twitter e Facebook.
Mulheres de todo o país, a maioria militantes do feminismo, fizeram a hashtag "#belarecatadaedolar" ser uma das mais utilizadas no Twitter e Facebook, postaram nudes, fotos em bares e em outras situações que mostram que a mulher não precisa ser bela, recatada e do lar para ser respeitada, e valorizada.

A hashtag surgiu como uma forma de empoderamento para mulheres gordas, negras e muitas das vezes com baixa auto-estima.
Muitas mulheres expuseram seus corpos como forma de protesto e adicionado a hashtag "#vejamachista" e fizeram até um poema inspirado na matéria.

Poema escrito pelos criadores do livro Feminismo Poético

quinta-feira, 21 de abril de 2016

Vamos falar sobre o Golpe? Ops, "Impeachment".

Deputados favoráveis e contrários ao impeachment
Oi galera, todo mundo está comentando muito sobre o processo de Impeachment da presidenta Dilma, mas calma, não vamos repetir tudo que já foi dito por ai. Vamos falar de algumas situações que foram bem explícitas durante a votação no plenário e durante esse dia.

A primeira, é ter menos de 20% de mulheres nos representando e a falta de respeito em relação à elas pelos os outros deputados, e mais ainda à aquelas que apoiam a 
presidenta. O sexismo explícito em todos aqueles homens presentes, gritavam e vaiavam as mulheres como bebês chorões.
Segundo, os deputados favoráveis agindo como se estivessem em um programa de auditório, votando pela mãe, mulher e filhos. Votando até em homenagem a torturador, mas não tinha um ali votando em nome do povo brasileiro.
E por último, mas não menos importante. Quem assistiu a votação sabe que o estado da Bahia foi o que mais se opôs ao processo de Impeachment, como todos já sabemos que a Bahia, e toda a região Nordeste e Norte do país sofre grande Xenofobia, por não aceitarem sua cultura e crenças.
Os baianos foram alvo de ofensas vindas de pessoas favoráveis ao Impeachment, pelo Twitter e outras redes sociais.Mas a Xenofobia já é um problema muito antigo que está entrelaçado na nossa criação desde pequenos, assim como o racismo, o machismo e a Lgbtfobia.


Usuários do Twitter ofendem a população baiana

Jean Wyllys é vítima de ofensas preconceituosas

Após votar "não" ao impeachment e criticar o presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha e a conduta dos outros candidatos favoráveis ao impeachment, Jean foi alvo de ofensas homofóbicas pelo Deputado Jair Messias Bolsonaro e outros deputados. Jean Wyllys revidou cuspindo em Bolsonaro.

Jean Wyllys cospe em Jair Bolsonaro após ofensas
"Na hora que eu fui votar, esse canalha decidiu me insultar na saída e tentar agarrar meu braço; ele ou alguém que estivesse perto dele. Quando eu vi o insulto, eu devolvi com um cuspe na cara dele, que é o que ele merece",
afirmou o deputado Jean Wyllys.